terça-feira

Immortal Technique - Entrevista para a XXL

Immortal Technique - Entrevista para a XXL

O rapper do Harlem Immortal Technique nem sempre foi diplomático, mas ele se tornou rapidamente um dos artistas mais verdadeiros. Nessa entrevista o instransigente MC fala sobre brigas com grandes gravadoras, fala sobre o programa "Stop Snitching" (Pare de Caguetar), Gangsta Rap, sobre o crescimento do Dirty South, grandes gravadoras, Dipset, e a relevância de seu rap revolucionário.

Com todo o respeito ao Mista Chuck, mas alguns "rappers politicos" são tratados como Testemunhas de Jeová no Hip-Hop; ouvimos eles tocando a campainha da porta - é claro, eles propagam o bem - mas que um raio me acerte se todos não se escondem embaixo da mesa da cozinha para que eles não te vejam.
Immortal Technique é uma rara excessão. Sua forte presença, inteligência aguçada e confissões pessoais o separou dos MCs pregadores. Seus dois albuns, Revolutionary Vol. 1 e Revolutionary Vol. 2 demonstrou um artista comprometido a mostrar a grande verdade por trás da realidade dos guetos.


E parece que Tech está alçando novos vôos actualmente. Ele é o presidente de sua própria gravadora independente, Viper Records, onde ele foi o produtor executivo do album "Legacy" de seu novo artista Akir.
Com mais um album, The Middle Passage, saindo pela Babygrande/Koch, um DVD documentário chamado "Urban Warface" e uma 'mixtape/album' com Green Lantern a caminho, é impressionante que ele tenha tempo para comandar uma gravadora.

Após ouvirmos a nova mixtape de Green Lanter a rima de Technique "Al Qaeda e America fazem bons negócios juntos/São mais aliados que Interscope e XXL," achamos que ele estava querendo nos zoar.
Então, antes dele partir para sua turnê para começar sua Invasão 2006 na West Coast, nos encontramos com Tech para saber como estavam as coisas. Quem sabe, agora, Tech e XXL sejam tão próximos quanto a Interscope e, bom... nós.

XXL: Antes de tudo, obrigado pelo 'salve' para a XXL na música "Impeach The President". Quão próximos são a Interscope e XXL?


Technique: Eu tenho certeza de que as pessoas envolvidas poderiam responder melhor do que eu. Não estou dizendo que vocês pegam dinheiro pelas capas da revistas ou por matérias ou revisões, mas quando você faz muitos negócios com alguém, você forma um tipo de ligação. Era só uma rima, eu não estava desrespeitando ninguém. Fala sério, você já ouviu minha música, essa coisa de desrespeito não se encaixa num cara como eu. Eu acho que só citei algo que não era novidade para ninguém no jogo, ou para alguém que está do lado de fora. Eu sempre apreciei o apoio da XXL a todos os meus trabalhos. Um 'salve' para o Presidente, Bonsu, Leah e todo os funcionários que dão um duro aqui.


XXL: O que você acha dessa atual situação no Hip-Hop do programa "Stop Snitching"? (Pare de Caguetar)


Technique: Eu ouvi muitas criticas sobre isso; dizem que isso destrói a comunidade, que cria desconfiança e impede crimes de serem resolvidos. Mas as pessoas seguem os exemplos. Se a policia quer que as pessoas comecam a falar com as autoridades, eles deveriam começar a falar com as autoridades. Querem que as pessoas vão depor no tribunal? Então eles deveriam sair do anonimato e depor no tribunal eles mesmo. Eles querem que os Latinos e os Negros entrem em Bitokes um ao outro? Querem que o gueto caguete a si mesmo? Eu nunca vi um policial depor no tribunal contra outro policial e dizer, 'sim meritissimo, eu vi meu parceiro arrebentar a cabeça do garoto porque ele era negro'. Nunca ouvi nenhum deles dizer 'não meritissimo, não tinhamos motivos para para-los. Fazemos isso o tempo todos nas avenidas em Jersey, as vezes contamos com a sorte. E o governo? Você já viu os Federais caguetando um ao outro e dar em alguma coisa? E o que dizer da CIA? Eles matam caguetas. Alguém ouviu Coronel Oliver North - que mandava dinheiro de drogas e armas para os Contras na Nicaragua - caguetar o Reagan? Porra nenhuma mano. Nunca vimos nada disso. Você quer que o povo caguete? Caguete você filho da mãe. Você quer crimes resolvidos? Nós também. Você quer a verdade? Sabe de uma coisa? Nós também queremos. Malcolm X. Martin Luther King Jr. Tupac. Biggie. Agent 800. Sindrome da Guerra do Golfo. Epidemia de Câncer na periferia. JFK. 11 de Setembro. Antrax. Os motivos por trás da guerra no Iraque. A fundação do Talibã pela América cinco meses antes do 11 de Setembro. Isso começou aqui. Precisamos começar a nos policiar. Precisamos enfrentar os molestadores de crianças e os estupradores, assim como as Igrejas que - sem desrespeito a Jesus Cristo - poderiam facilmente cair nessas categorias. Deveriamos começar uma campanha "Start Snitching" (Comece a Caguetar) para o governo para que ele nos explique tudo que nos foi feito no passado, ai sim quem sabe poderemos apontar o dedo para um irmão. Eu passei seis meses trancado e um mês na solitária porque não disse nada a policia, mesmo após o cara que foi acusado comigo cantar como a porra de um canário. Eu não fiz isso pra ganhar credibilidade nas ruas ou porque achei que fosse legal. Eu sou um homem de principios. Eu perdi tudo em materia de dinheiro e familia, mas eu sai da cela e voltei para Nova Iorque como um homem em cada sentido da palavra. Eu levo essa coisa de caguetagem pro lado pessoal porque eles não conseguiram me dobrar e nem me fazer falar. Eu não estou a venda. E não acho que nossa lealdade para com nosso povo esteja a venda também.


XXL: Assinar com uma grande gravadora é algo que você almeja?


Technique: Eles vivem querendo me assinar como um artista e vivem me oferecendo dinheiro, mas não percebem que não faço isso por dinheiro. É sobre principios e sobre o meu sucesso como presidente de minha própria gravadora. Como o VP e presidente da Viper, eu vendi 80,000 cópias do Revolutionary Vol. 2 e vendi 35,000 cópias do Vol. 1. A SoundScan talvez diga que os números foram menores, mas eu vendi sozinho 30,000 cópias através de pequenos distribuidores. Antes mesmo de eu conseguir distribuição eu já tinha vendido 10,000 sozinho por $8 e $10. Eu não preciso fingir que recebo de alguém. Eu sou do Harlem, mas não sou nenhum exibido. Eu tenho uma cultura de um país de Terceiro Mundo, como os Haitianos, Jamaicanos, Cubanos, Colombianos. Eu sou Peruano, eu invisto meu dinheiro. Eu tenho 3 apartamentos e uma casa que comprei para minha avó na América do Sul. Eu tenho mais de 50 acres de terra no Peru. Eu coloquei minha irmã na escola e na escola médica. Eu ganho o mesmo que artistas comerciais nos shows. Meu agente não me chama a menos que a conversa comece com $5,000 até $15,000. Eu não estou passando fome e nem falido para vender minha alma junto com os direitos dos meus masters e de publicação. Não estou atrás do grande salto na carreira. Estou atrás do que um contrato com gravadora - ou um contrato com P&D - deveria ser. Um contrato, não um pedaço de papel escrito em letras pequenas que me tornam um escravo.

XXL: 50 Cent parece estar assinando com todos ultimamente. O que ele deveria fazer para você assinar um contrato com a G-Unit?


Technique: Se você quer ser engraçado, eu vou ser engraçado também. Como um rapper latino com um grande número de fãs latinos e alguém que tem muitos fãs brancos, mulçumanos, negros, eu tenho uma diversidade de fãs onde quer que eu vá. Eu rodo o mundo todo. Mas falando de um contrato, eu precisaria de algo como a Roc-A-Fella conseguiu da Def Jam; eles dão 25% e uma grande distribuição com apoio de uma grande gravadora. Mas eu tenho que manter meus masters já que eu mixo tudo e masterizo tudo com meu próprio dinheiro. Eu não tenho um A&R. Eu faço tudo sozinho. Não tem outra visão além da minha. Eu sempre coloco meu dinheiro nas produções e para prensar as cópias. E eu não acho que alguém tenha essa mesma fórmula. As pessoas não estão assinando com alguém que os queria 100%, e as gravadoras não criam mais artistas. Eles querem alguém pronto mas não paga o mesmo dinheiro de alguém que se formou.


XXL: Você acha que ser um "rapper politico" te ajuda ou te prejudica?


Technique: Eu já ouvi "Rapper Revolucionário", "Politico das Ruas", "Rapper Politico", "MC Ativista", toda essa merda. Não ligo a minima. Costumavam me chamar de "MC de Batalha" porque eu ganhava todas as batalhas em Nova Iorque. Eu sei do que sou capaz. Eu sei o que é ser deixado de lado no jogo, então não me preocupo com o que as pessoas dizem. Os albuns mais pesados, mesmo os do começo do Gangsta Rap, todos eram revolucionários: Amerikkkaz Most Wanted, The Chronic, os antigos do Ice-T. Como as pessoas ouvem esses albuns e não entendem as mensagens revolucionárias codificadas nelas? Eu represento as ruas aqui na America e represento as pessoas de outros paises que vem pra cá como resultado do que aconteceu em sua terra natal. Cada aspecto desse jogo do Rap é politico, qualquer veterano vai te dizer isso. Se você não gosta de politica, então sai da porra do mundo da música. A Politica é a coisa mais gangsta do mundo. Países de Terceiro Mundo são ricos em recursos naturais - Africa, America Central e do Sul, toda a Asia. O motivo de ter muita mão de obra barata, o motivo deles serem pobres e passarem fome é que todos os seus recursos pertencem a países como a America e a Europa, países que os possuiam como colônias e mantém as pessoas como escravas. Isso é politica, nego. Isso é mais gangsta que você, que sua quebrada, sua banca ou qualquer um que você conheça. Eu só falo como a coisa é, como a coisa era e como pode ser, ao invés de dizer como não é, como não era e como não deveria ser.

XXL: Por que você acha que o Rap do Sul está se sobressaindo mais do que o Rap de Nova Iorque ultimamente?


Technique: Bom, os artistas da East Coast e West Coast já ganharam disco de diamante, nunca vi um artista do Sul ganhar diamante [Nota do Editor: O album Speakerboxx/The Love Below de Outkast ganhou disco de diamante certificado pela RIIA]. O maior vendedor de discos do Rap não é 50 Cent, ele não representa Nova Iorque? O problema é, na tentativa de nos promover, começamos a colocar as melhores letras, mais criativas, letras mais trabalhadas em nossa mixtapes, ao invés de colocar nos albuns. Mas talvez o Sul pareça mais em destaque porque eles vendem melhor por projeto, então há consistência. Faz com que a indústria queira mais. Isso faz as pessoas verem isso como a fórmula para o sucesso, e tem um monte de garotos, não só em NY, mas especialmente aqui - que seguem modas e gostam dos mesmos assuntos.


XXL: Qual assunto você acha que as pessoas deveriam ouvir em Nova Iorque?


Technique: Com todas essas coisas no mundo, eu acho que as pessoas levam isso pro coração. Eles olham para Nova Iorque, que tradicionalmente cria letristas para falar sobre os problemas. Quando eles não os vêem, eles perdem a fé. As pessoas estão cansadas de ouvir aquela conversa de bandido sem sentido, de ouvir que você é um traficante, a menos que você demonstre outra dimensão do assunto. Qual foi, você tem pistolas? Um monte de gente tem pistolas também nego. Você vendeu drogas, quem nunca vendeu?? Você ficou preso? Eu e mais alguns milhões de pessoas também ficamos presos. Isso não é um passe livre para Negros e Mexicanos, isso é escravidão. Você vai matar alguém. Firmeza, e ai? Seja criativo ou arruma um terapeuta. Não é que os rappers são muito "ruas" ou "bandidões" para a audiência, alguns não tem talento algum - metáforas fracas, um garoto de 4 anos pode fazer igual. Eu sempre ouço "ele tem uma levada boa". A levada não impede que a música seja uma merda.

XXL: O que você acha que os MCs do Dirty South estão trazendo pro jogo?


Technique: Ninguém espera uma letra impressionante de um artista da Dirty South, mas os manos de lá não são estúpidos. Eles sofrem mais racismo, mais abusos do governo e mais pobreza do que em qualquer parte do país, exceto Michigan e outras localidades. Então apesar das letras, eles demonstram um apetite para mostrar sua dor. É claro que ouvimos as músicas comerciais que eles fazem, mas tem outras que tem conteúdo. Nós, a East Coast, somos colocados em um outro nível, por pessoas como você, pela comunidade Hip-Hop.


XXL: Por que isso em Nova Iorque, essa colocação?


Technique: Ser um compositor acima ou abaixo da média? Isso é falta de respeito com a cultura do Hip-Hop. Talvez seja outro factor. A audiência do Hip-Hop tem uma intervalo de gerações. Tem crianças que vêem Tupac e Biggie como da velha escola. Crianças que tinham cinco ou seis anos quando eles morreram. Se você for mais simplista com as letras então elas vão atrair o público mais novo. Não estou desrespeitando a inteligência dos jovens de maneira alguma - conheço muitos garotos espertos - mas essa é a verdade. Mas eu vou dizer uma grande verdade sobre o Hip-Hop do Sul agora: eles não estão ganhando todo esse dinheiro. Não quero saber o que você usa nos seus videos, o que você mostra nas boas-vindas de Howard, o que você fica exibindo nas ruas, ou quantas cópias independentes você vendeu do seu porta-malas em Alabama e Atlanta. Parem de fingir que as gravadoras não estão ficando com o dinheiro de verdade. O movimento do Sul não representa o crescente padrão das pessoas que vivem no Sul assim como não representa a tentativa desesperada das gravadoras para salvar suas vendas, que estão na privada. Eles criaram uma clientela fiel e vão explorar ela até o último. Seu carimbo não significa nada nego. Você não possui os masters, o direito de publicação não é todo seu. O montante de dinheiro que as grandes gravadoras ganham é o ponto principal. Não vemos isso como um artista. Ainda somos escravos, só estamos em navios negreiros diferentes.


XXL: Você é do Harlem, onde os artistas que estão dominando agora são os Diplomats. Você é um fã?


Technique: [Risos] As pessoas as vezes se esquecem que sou do Harlem, eu vivi aqui e em Heights. Acho que é devido ao facto de eu estar em turnê 200 dias por ano. Eu curto os trampos mais filho-da-puta que você puder fazer, mas o que eu acho, mesmo eu gostando de algumas músicas que Camm'ron e eles lançam, a idéia mais firmeza que ouvi eles escreverem foi aquelas duas músicas no 'Confessions Of Fire' chamadas "D Rugs" e "Confessions". Parecia que aquela música o machucava, e é isso que eu aprecio nas pessoas, qualquer um.


XXL: Eles são diferentes liricamente de você, mas tem algo no Dipset que você consegue se assimilar, já que todos são do Harlem?

a entrevista continua....

agora podem baixar essa mix tape dele de 2006